Hortas urbanas - jardineiros à borla

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
foto em O Banheirense

Elas aparecem e mais apareceriam

arranjem terra, água e uma mangueira

de Telheiras à Baixa da Banheira,

pretendentes não faltariam.



Uma história recente: Horta nova na Baixa da Banheira no Blog O Banheirense



1 comentário:

info want disse...

Mais um Silo-auto em Lisboa? Contra a alienação do património Municipal!!!!

Boa tarde,


Gostaria de colocar à vossa consideração as minhas dúvidas e considerações, relativas a duas obras "previstas" para a freguesia da Graça em Lisboa.



A primeira é o Silo-auto a construir entre a Rua Damasceno Monteiro e a calçada do Monte, na Freguesia da Graça, em Lisboa.



Pelo que me foi possível perceber, este terreno - que poderia ser um excelente jardim - foi sempre negligenciado pela Autarquia e Junta de Freguesia até que foi doado pela CML à EMEL como forma de pagar dívidas da primeira entidade à segunda (ver proposta PROPOSTA Nº. 241/03 em www.cm-lisboa.pt/docs/ficheiros/241.doc).



Questiono a validade desta “doação” de um espaço de utilização pública a uma empresa privada sem a prévia consulta dos munícipes?



É de referenciar que este espaço e a única área verde de que dispõe os moradores, dado que todos os outros espaços públicos, apesar de alguns serem jardins, contam apenas com algumas árvores e muito cimento ou calçada portuguesa.



No jardim abandonado, os moradores da freguesia cultivavam as suas "hortas urbanas" - que aliás é uma característica comum a todas as cidades onde vivem portugueses e uma prática a incentivar - mas foram destruídas com a recente "limpeza" do jardim. Desapareceram as hortas mas ficaram as seringas e outros desperdicios potencialmente perigosos.



Actualmente, o trabalho de plantação de uma horta urbana biológica, foi reiniciado por um grupo de pessoas empenhadas e já é possível – apesar de condicionamentos como a falta de água - ver os seus resultados.



No jardim - convertido em horta - existem ainda 3 pinheiros mansos e algumas oliveiras sendo perfeitamente viável o seu aproveitamento como área verde. Poderia esta iniciativa ser potenciada, de forma lúdica e pedagogica, em prol dos moradores e crianças da freguesia?



Mas, voltando ao Silo a ser construído como pagamento de uma dívida da CML à EMEL... o que mais me preocupa é o projecto existente. Pelo que se pode verificar em http://arquitectos.pt/documentos/1163775515M1yHF3bu9Ug27BL5.pdf (a partir da página 86), o "novo edifício" – se a proposta aprovada for a que consta do link refeenciado - poderá danificar irremediavelmente o património arquitectónico de uma freguesia já tão desvirtuada.



Os exemplos máximos da falta de atenção pelo seu património da Graça é o estado de degradação dos seus edifícios históricos e a total destruição arquitectónica protagonizada pelos edifícios do final da própria Damasceno Monteiro.



Segundo as mais variadas fontes, o Silo vai mesmo avançar:



28 de Janeiro de 2005 - in: http://www.cm-lisboa.pt/index.php?id_item=8124&id_categoria=11, pode-se ler “O silo da Damasceno Monteiro, com capacidade para 240 lugares, encontra-se já adjudicado (...)”



14 de Setembro de 2005: No Documento, Alvaro_Castro_Politica_Transportes_CML_14-09-2005 (página 18), pode-se visualizar a localização dos futuros silos de Lisboa: http://lisboaenova.org/pagina/images/stories/Conferencias/Setembro_2005/dia_14/Alvaro_Castro_Politica_Transportes_CML_14-09-2005_parte2.pdf



6 de Janeiro de 2007 - in: http://jf-graca.homelinux.com, pode-se ler “A Vereadora Marina Ferreira realizou uma visita à freguesia da Graça, no passado dia 1 de Fevereiro, tomando conhecimento directo de alguns dos problemas da freguesia. Uma das questões reporta ao estado das passadeiras e da sinalização viária, para a qual a Câmara procurará dar resposta. A Vereadora assumiu como prioridade a construção do silo de Estacionamento na Rua Damasceno Monteiro, bem como o apoio à proposta da Junta para a celebração de um protocolo que permita o estacionamento público automóvel na Parada do Quartel da Graça.”



A empresa Real Town Planning apresenta no seu Portfólio o Silo da Graça como um dos seus projectos: http://www.realtownplanning.pt/8864/index.html?*session*id*key*=*session*id*val*



Não posso deixar de questionar se, o silo, irá realmente resolver os problemas de estacionamento da Graça ou se - como acontece noutros parques da cidade - os moradores vão continuar a estacionar em ruas e vielas devido aos elevados preços do estacionamento subterrâneo, mantendo-se o parque parcialmente vazio?





Outra questão que me preocupa, é o destino a dar ao terreno da EPUL, sito na Damasceno Monteiro, frente ao número 38.



Até ao momento não consegui qualquer informação sobre a construção que aí poderá surgir e penso (eu e muitos outros munícipes) que esse sim seria o local para a construção do Silo desde que este não ultrapassa-se o nível da rua e contemplasse espaços de lazer.



A assembleia de Freguesia é o local ideal para debater estas questões, pelo que, lanço o convite à participação de todos e todas nesta actividade da Junta de Freguesia da Graça. Próxima Reunião: 21 de Dezembro de 2007



Peço também a vossa atenção para o lançamento e participação do/no debate sobre estas novas “obras da/para a cidade”



Grata pela atenção



Cátia Maciel