Sá Fernandes propõe 86 quilómetros de percursos ligando espaços verdes na cidade

( bons empurrões para pôr a cidade a andar...sem parar. Depois da notícia (e) da conferência do Mário Alves sobre "a cidade a pé" - a que não fui mas que não vou tardar em saber como correu -, as intenções políticas para ligar os "bocados" de espaços verdes soltos pela cidade. Bons princípios!)



Fazer uma rede de percursos de ligação, num total de 86 quilómetros, entre as principais zonas verdes da cidade, que possam ser usufruídos a pé ou de bicicleta, foi a proposta ontem apresentada por José Sá Fernandes, vereador dos Espaços Verdes na Câmara de Lisboa, a seis associações ambientalistas que convidou para um almoço de trabalho. "Uma revolução", como o próprio denominou, que passa por utilizar trajectos já existentes ou, nalguns casos, criar ligações que permitam facilitar o acesso a espaços hoje mais isolados e pouco frequentados."O que eu estou a propor é uma coisa que custa tanto como um jardim, mas que liga os jardins todos", resumiu o vereador do BE, no fim da apresentação, admitindo que o projecto "é ambicioso, mas possível de concretizar". "É uma intervenção que custa dinheiro, mas não é por aí além. O que é preciso é vontade política e ligação entre os serviços", disse, explicando que os Espaços Verdes terão de se articular com o Trânsito e a Mobilidade. Ligar Monsanto ao Parque Eduardo VII e à Quinta da Granja, em Benfica, este último ao Parque Periférico, em Carnide ("hoje uma lixeira") e à Quinta das Conchas, no Lumiar, formando um corredor verde, é um dos exemplos. Outra das ligações que pretende é entre o Campo Grande, a Mata de Alvalade e o campo de golfe da Belavista, ao lado do parque que ficou famoso pela realização do festival "Rock in Rio", mas que continua a ser pouco utilizado, apesar de estar rodeado de áreas densamente habitadas, como o Areeiro, a Avenida Almirante Reis e as Olaias.

Plano é "ambicioso"

"Estas pessoas moram a 200 metros de um dos maiores parques de Lisboa e não têm outra forma de lá ir a não ser de carro", lamentou o vereador, propondo-se vencer esta barreira construindo uma ponte sobre a linha férrea. Uma obra "cara", mas "decisiva para Lisboa", disse, sem se comprometer com datas.Ao JN, Sá Fernandes disse que, até Dezembro, será possível dizer quais destes percursos vão avançar primeiro, mas garantiu que "no final de 2008 já haverá alguns deles prontos". O vereador admitiu que em todos eles há "pequenos problemas" - como o terreno não ser da Câmara ou conflitos de tráfego - mas mostrou-se confiante de que as dificuldades serão superadas. Garantiu também que a via ciclável à beira-rio, entre o Parque das Nações e Algés, está entre as prioridades do Executivo."Ambicioso" foi como os ambientalistas classificaram o projecto. "Eu fazia as coisas mais devagar. Primeiro abria um percurso e consolidava-o, para então fazer outro", sugeriu Eugénio Sequeira, da Liga para a Protecção da Natureza, alertando para a importância de os percursos serem mantidos em condições. Opinião idêntica tem Manuel Verdugo, da Plataforma Por Monsanto, alertando para a necessidade destes trajectos serem ocupados e seguros. Carlos Costa, do Geota, teme a falta de "prioridades" e considerou alguns percursos "artificiais". "Não é assim que as pessoas circulam", disse

in JN


O vereador lisboeta dos Espaços Verdes, José Sá Fernandes, quer 86 quilómetros de percursos a ligar os espaços verdes da capital até 2009, um plano que apresentou hoje a associações ambientalistas.
De Monsanto ao Parque das Nações, o projecto do Anel da Estrutura Verde pretende mostrar que «as pessoas podem melhorar a sua qualidade de vida» com os espaços verdes que existem em Lisboa mas que não estão ligados, afirmou Sá Fernandes.
A par das ligações físicas entre os espaços - vias para peões, ciclovias, pontes - Sá Fernandes afirmou que vai abrir «doze hastas públicas» para espaços - «cafetarias e quiosques» - em vários pontos do circuito.
«Em 2008 contamos ter tudo estudado e algumas partes do percurso completas», afirmou o vereador eleito pelo Bloco de Esquerda, afirmando que ligar todos os principais pontos verdes da cidade «custa tanto como fazer um jardim novo».
Além de «corredores verdes» entre os parques e jardins, o projecto pondera também abrir caminhos de ligação entre a malha urbana da cidade: uma das hipóteses prevê uma "rambla" pelo meio da avenida Duque d'Ávila em direcção a Oriente.
Sá Fernandes referiu ainda que há o projecto de fazer uma via para bicicletas ao longo de toda a frente ribeirinha de Lisboa e percursos históricos pelas colinas da Avenida da Liberdade, mas admitiu que não será possível fazer tudo até 2009, quando termina o actual mandato autárquico.
O projecto do Anel Verde implica ligar primeiro Monsanto ao resto da cidade, começando pela Tapada da Ajuda, outro espaço verde que está instalado mas que não tem ligação ao maior parque da cidade.
Sucessivamente, o plano supõe ligações que passarão pela Quinta da Granja, Parque Periférico, Quinta das Conchas, Campo Grande, Campo Pequeno, Vale de Chelas, Olivais, Vale do Silêncio, Parque da Bela Vista até ao Parque das Nações. Outras ligações previstas proporcionariam acesso da Tapada da Ajuda até ao Tejo e a ligação entre as duas metades do Parque da Bela Vista, bem como um acesso.
Sá Fernandes destacou a necessidade de garantir «acesso simples a pé ou de bicicleta» a todas estas áreas da cidade, citando situações como a do Parque da Bela Vista, ao qual os habitantes do outro lado da avenida Gago Coutinho só têm acesso de carro.
«Isto custa dinheiro, que não é muito, mas é preciso vontade política para o fazer, porque é preciso conjugar muitas coisa em termos de trânsito e transportes», afirmou Sá Fernandes.
Apresentado o plano, o presidente da Liga de Protecção da Natureza, Eugénio Sequeira, aconselhou cautela, afirmando que é preferível ir «mais devagar» do que o projecto apresentado por Sá fernandes, optando por consolidar um percurso de cada vez, garantindo que as pessoas aderem e a sua segurança, bem como a manutenção do próprio espaço verde, sujeito a maior pressão

in Destak

2 comentários:

Kitty disse...

Visite e, se puder, ajude:
http://astresmeninasgemeas.blogspot.com/
Obrigada

Bici Activismo disse...

Massa Critica - Sexta-feira, 28 de Setembro

Aveiro
18h00
Ponte Praça

Coimbra
18h00
Largo da Portagem

Lisboa
18h00
Marquês de Pombal

Em Lisboa faremos a Massa Crítica dos Executivos, para mostrar que a bicicleta não serve apenas para lazer ou para desporto (obrigando a calção de Lycra, camisola colorida e mala xpto), mas também é um meio de transporte que pode e deve ser usado por qualquer pessoa em qualquer ocasião.

Veste o teu casaco, calças e camisa, saia ou vestido.
Calça o teu sapato de escritório, sandália ou sapato alto.
Vem pedalar.

Porto
18h00
Praça dos Leões

O que é a Massa Crítica?
A Massa Crítica (Critical Mass) é um evento que ocorre tradicionalmente na última sexta-feira do mês em muitas cidades pelo mundo, onde ciclistas, skaters, patinadores e outras pessoas com veículos movidos à propulsão humana, ocupam seu espaço nas ruas. No Brasil e em Portugal, há um movimento ciclista inspirado na Massa Crítica, chamado Bicicletada. Os principais objectivos da Bicicletada são divulgar a bicicleta como um meio de transporte, criar condições favoráveis para o uso deste veículo e tornar mais ecológicos e sustentáveis os sistemas de transporte de pessoas, principalmente no meio urbano.

Mais informações:
www.massacriticapt.net

“Anda de bicicleta todos os dias, festeja uma vez por mês”